Maximizando a eficiência energética na logística 

Por Arthur Rodrigues

No cenário competitivo da logística moderna, a eficiência energética é um diferencial crucial para o sucesso das empresas. Neste artigo, vamos explorar os principais pontos da eficiência energética na logística e como o Mercado Livre de Energia pode desempenhar um papel fundamental nesse processo. Além disso, destacamos como a parceria entre a Newave e a G2L está trazendo soluções inovadoras para esse desafio.

Utilização de tecnologia avançada

Investir em tecnologias avançadas é essencial para otimizar a eficiência energética na logística. Sistemas de gestão de frota e rastreamento em tempo real permitem um melhor controle do consumo de combustível e a identificação de oportunidades de melhoria.

Otimização de processos logísticos

Revisar e otimizar os processos logísticos pode levar a uma redução significativa no uso de energia. Desde o planejamento de rotas mais eficientes até a implementação de práticas de carga inteligente, cada etapa do processo pode ser ajustada para maximizar a eficiência energética. 

Transição para fontes de energia sustentáveis 

A adoção de fontes de energia sustentáveis, como energia solar ou eólica, pode reduzir a dependência de combustíveis fósseis e diminuir a pegada de carbono da logística.

Explorando o mercado livre de energia 

O Mercado Livre de Energia oferece às empresas a oportunidade de negociar contratos de energia mais flexíveis e competitivos.

Ao migrarem para esse modelo, as empresas podem reduzir significativamente seus custos com energia elétrica, em até 30%, ao mesmo tempo em que ganham maior controle sobre o consumo energético.

Isso não apenas contribui para a eficiência geral do negócio, mas também proporciona uma vantagem competitiva no mercado.

A eficiência energética na logística é essencial não apenas para reduzir custos operacionais, mas também para mitigar os impactos ambientais. Ao adotar tecnologias avançadas, otimizar processos, explorar fontes de energia sustentáveis e aproveitar as oportunidades do Mercado Livre de Energia, as empresas podem alcançar novos patamares de eficiência e competitividade.

Para saber mais sobre como a Newave e a G2L estão liderando o caminho em eficiência na logística, visite seus sites: Newave e G2L.

Arthur Rodrigues 

Arthur, líder do canal Gerdau dentro da Newave energia, tem o propósito de construir uma sinergia que leve mais valor para nossos clientes e nos diferenciar dentro do mercado. 

Panorama da Gestão Logística na Atualidade 

Por Prof. Manoel de Andrade e Silva Reis – FGV 

A logística tem se tornado cada vez mais um fator estratégico para o bom desempenho dos negócios de um país, de sua competitividade internacional e da competividade das organizações. 

Sua evolução depende de fatores essenciais como a infraestrutura física de transportes do país – essencial para a utilização adequada e equilibrada dos diversos modais de transporte -, bom comportamento de sua economia, redução da burocracia, custo dos combustíveis, racionalização e redução dos impostos, simplificação dos controles nas fronteiras interestaduais, além de políticas ambientais, sociais e de governança (ESG). 

A implementação efetiva de muitos desses elementos está intrinsecamente ligada às decisões tomadas pelos três níveis de governo, pelo Congresso Nacional e pelo Judiciário. Nesse contexto, é imperativo que o setor privado intervenha de maneira proativa e organizada, buscando facilitar a concretização dessas medidas em prazos apropriados. 

Em termos de infraestrutura física de transportes, o Brasil ocupa no mundo uma posição não condizente com seu porte como país, o que é um contrassenso, tendo em vista que nossa economia tem, nos últimos anos, se situado entre a 8ª e a 10ª economia do mundo e a infraestrutura de transportes do país situa-se no entorno da 70ª posição. 

A matriz brasileira de transporte de cargas conta com a seguinte participação aproximada dos diversos modais de transportes: rodoviário 61%, ferroviário 20%, cabotagem 12% dutoviário 4%, fluvial 2%, aéreo 1%, segundo dados da CNT. Uma alta participação do rodoviário, cuja rede é ainda insuficiente e em grande parte de baixa qualidade. 

Em comparação, a matriz de transportes dos Estados Unidos tem: rodoviário 31%, ferroviário 37%, aquaviário 10% e outros 22%. É notável a diferença expressiva com uma grande participação do ferroviário. 

No Brasil, a pouca utilização do ferroviário se explica pela baixa disponibilidade de linha, totalizando aproximadamente 30 mil km (excluídas as linhas destinadas ao transporte urbano). Essa restrição está prestes a ser superada com a promulgação da Lei nº 14.273/2021, que agora possibilita às empresas solicitar diretamente ao governo federal autorizações para a construção de ferrovias em todo o país, rompendo com a antiga necessidade de participar exclusivamente de leilões conduzidos pela ANTT. 

Fatores direcionadores 

Dentro deste contexto, há diversos fatores que podem ser úteis para os profissionais e empresas de logística no Brasil e seus usuários. 

  • E-Commerce: Atualmente o e-commerce no Brasil tem sido utilizado de forma extensiva, responsável por 42% do comércio online na América Latina. Profissionais do e-commerce e da logística precisam acompanhar a evolução das tendências para melhor escolha nas tomadas de decisão. 
  • Políticas Ambientais, Sociais e de Governança (ESG): Sigla, em inglês, que significa environmental, social and governance, e corresponde às práticas ambientais, sociais e de governança de uma organização. De forma resumida, a ESG serve como parâmetro para orientar as empresas na aplicação dos critérios ambientais, sociais e de governança corporativa, que podem trazer diversos benefícios para a percepção de valor das empresas operadoras e usuárias de logística. Empresas, governos e pessoas serão crescentemente cobrados para exercer a prática do ESG. 
  • Logística como Serviço (LaaS – do inglês Logística as a Service): A logística tornou-se uma capacidade vital para as empresas e tem custos elevados, especialmente em virtude das necessidades de investimentos. A terceirização das operações logísticas por usuários, para empresas confiáveis e competentes exige controle, mas permite a rápida atualização dos processos operacionais, praticamente sem investimentos. 
  • Transporte de Longa Distância e Última Milha: O transporte de longa distância é em geral feito por veículos de maior porte (carretas, trens, embarcações marítimas ou fluviais), buscando reduzir os custos do transporte pelo grande volume transportado. Já o transporte final ao cliente, normalmente designado “última milha”, é realizado por veículos de menor porte, e corresponde a um custo por unidade de carga, em geral superior ao custo unitário do transporte de longa distância. 
  • Crescimento do Setor de Transportes x Crescimento da Economia: Uma informação importante é que na medida que a economia cresce 1%, o setor de transportes cresce 2%, servindo isso como referência para prestadores de serviço logístico, no tocante à gestão de suas frotas e capacidades logísticas. 
  • Logística em Tempo Real e Torre de Controle: A principal providência para o bom andamento do processo logístico de uma empresa é aumentar a visibilidade de toda sua cadeia de abastecimento, o que tem sido possível através do conceito de Torre de Controle, já utilizado por diversas organizações. De maneira prática, a torre de controle é uma central de integração que reúne e dá acesso, em tempo real, às informações das operações de uma empresa e permite a visualização e o controle das principais atividades de uma cadeia de abastecimento. 
  • Logística 4.0: A logística 4.0 é a automação e o uso da tecnologia dentro de todas as etapas que compõem a logística. Com softwares e tecnologias que auxiliam cada parte da cadeia de abastecimento, a logística 4.0 oferece aos profissionais dessa área a chance de automatizar seus processos e economizar tanto recursos físicos quanto financeiros. 
  • SLA (Service Level Agreement) – Acordo de Nível de Serviço: O Acordo de Nível de Serviço pode ser definido como um documento responsável por formalizar termos de serviço e, quando bem aplicado, garante não só uma operação mais efetiva, como também um relacionamento mais saudável com clientes e fornecedores da sua empresa. O SLA transmite segurança na execução dos acordos e serviços, tanto para o contratante quanto para o contratado, garantindo a transparência e o cumprimento de tudo que foi acordado. 
  • Gestão de Riscos: O tema riscos vem ganhando importância crescente, tendo em vista que gestores são cada vez mais pressionados para melhorar a eficiência de suas cadeias de abastecimento, fazendo os materiais fluírem de forma rápida e a baixo custo, o que induz a criação de novos métodos que tendem a aumentar a vulnerabilidade das cadeias. De maneira geral, esses gestores têm que lidar constantemente com atrasos em entregas, acréscimos de preços, incidentes internos nas organizações, acidentes em rodovias e congestionamentos de tráfego, desastres naturais e uma série de outras ocorrências. Muitos eventos podem afetar o desempenho das cadeias de abastecimento longas e complexas e esses eventos inesperados caracterizam os riscos.  A Gestão de Riscos na Cadeia de Abastecimento é a função responsável por fazer sua gestão. 
  • Resiliência: Resiliência é a capacidade de reagir adequadamente em situações difíceis ou de fontes significativas de estresse. Na prática, significa que diante de uma adversidade, a pessoa utiliza sua força interior para se recuperar com leveza e sabedoria. Este conceito é essencial na gestão empresarial moderna, que traz no dia a dia momentos de tensão de várias origens. 

Em suma, a gestão logística contemporânea revela-se como uma trama intricada, onde fatores como infraestrutura, economia, ESG, tecnologia e resiliência se entrelaçam para moldar o cenário. A resiliência, inerente à natureza do setor, assume papel crucial em meio a adversidades. Que este panorama inspire reflexões e ações, impulsionando a busca por soluções inovadoras que promovam a eficiência e a sustentabilidade na gestão logística, contribuindo para o progresso econômico e social. 

Espero que este conjunto de conceitos em logística e fatores direcionadores sejam uma inspiração para você, leitor. 

Quem é Manoel Reis  

Atua na FGV Projetos, uma entidade da Fundação Getúlio Vargas que presta consultoria a empresas e governos, nas mais diversas áreas. Manoel Reis é consultor e professor de Logística e Supply Chain. Engenheiro Naval e Mestre pela Escola Politécnica USP e Ph.D pelo MIT. 

Demandas de final de ano: sua empresa está preparada? 

Por Redação

A temporada de compras de fim de ano é um período crucial para o varejo e o comércio eletrônico, quando aumentam as buscas por melhores ofertas e produtos. Com a Black Friday e outras datas festivas ganhando cada vez mais importância tanto para consumidores quanto para comerciantes, a logística desempenha um papel vital na preparação e execução bem-sucedida dessas operações. 

Uma pesquisa da MField revela uma perspectiva otimista para a Black Friday deste ano no Brasil, com 75,6% dos brasileiros planejando realizar compras, o que representa um aumento de 32,2% em comparação ao ano anterior. Além disso, de acordo com um estudo do Google, 7 em cada 10 consumidores têm a intenção de manter ou aumentar seus orçamentos em relação a 2022, e 1 em cada 4 deles planeja gastar mais de mil reais. 

Neste artigo, vamos explorar as estratégias essenciais para preparar as operações para essa alta demanda e como a logística deve se adaptar neste período. Abordaremos desde o planejamento estratégico até a satisfação do cliente, para garantir o alinhamento do planejamento da sua empresa com as expectativas dos consumidores. 

Planejamento Estratégico: Garantindo previsibilidade nas operações 

A preparação para a Black Friday e outras datas festivas deve começar muito antes dos eventos em si. É essencial adotar uma abordagem estratégica que assegure que sua logística esteja não apenas preparada, mas também otimizada para enfrentar a demanda crescente que caracteriza essa época do ano. 

Manter a capacidade de atendimento e, mais que isso, a qualidade do transporte e das demais operações, é um verdadeiro desafio. E pensando nisso, otimizar rotas, integrar fluxos e garantir as entregas dentro do prazo torna-se fundamental para transformar os desafios logísticos em oportunidades de crescimento. 

Por isso, iniciar o planejamento com meses de antecedência é um passo crucial. Ao fazer isso, sua empresa terá a oportunidade de considerar uma série de fatores essenciais, que incluem, mas não se limitam a: 

  • Previsibilidade: É essencial coletar e analisar dados históricos de vendas, considerando sazonalidades anteriores e as tendências do mercado atual. Além disso, fatores externos que podem impactar as vendas, como eventos sazonais, lançamentos de produtos ou mudanças econômicas, também devem ser levados em consideração. A compreensão desses elementos permitirá uma previsão mais precisa do volume de pedidos esperado. 
  • Controle de Estoque: Certifique-se de que seu estoque esteja alinhado com a demanda esperada. Evitar a falta de produtos é essencial para não perder vendas, ao mesmo tempo em que evitar o excesso de estoque é crucial para não comprometer o fluxo de caixa. 
  • Recursos de Pessoal: Aumentar temporariamente a equipe de atendimento, empacotamento e transporte é frequentemente necessário. Planeje a contratação e o treinamento com antecedência para garantir que a equipe esteja preparada. 
  • Recursos de Transporte: Garanta que você tenha capacidade suficiente para atender aos picos de demanda. Estabeleça rotas eficientes e prazos de entrega realistas. 

Ao adotar uma abordagem estratégica abrangente que aborde esses fatores críticos, sua empresa estará em uma posição sólida para garantir que sua logística esteja totalmente preparada para a temporada de compras de fim de ano, maximizando as oportunidades e minimizando os desafios. 

Um dos aspectos essenciais da logística é a previsibilidade. Na G2L, estamos direcionando cada vez mais nossos recursos para analisar as operações de forma planejada e estruturada. Integramos fluxos e otimizamos processos com o objetivo de atender de maneira responsiva, programada e adaptada às variações de demanda. Isso se traduz em melhor tempo de resposta, maior satisfação do cliente e eficiência na gestão de custos. 

É importante observar que a temporada de compras de fim de ano não é a única variável a ser considerada no planejamento logístico. Outros fatores sazonais, como o ciclo de safras agrícolas, podem coincidir com esse período capturando capacidade de atendimento, veículos e motoristas. Portanto, é crucial ajustar o planejamento para acomodar múltiplos eventos sazonais e garantir que a logística esteja preparada para lidar com essas complexidades. 

Por esta razão, muitas empresas optam pela contratação de um 3PL: a terceirização de processos que otimiza custos e potencializa a qualidade das entregas. O 3PL é sigla de Third Party Logistics e trata da contratação de um fornecedor externo para executar a logística de uma empresa, como serviços de armazenagem, embalagem e transporte de mercadorias. 

Controle de Estoque Aprimorado 

Durante a Black Friday e as festas de fim de ano, a gestão de estoque desempenha um papel central e crítico na resposta eficaz à crescente demanda. Para garantir que sua logística seja capaz de lidar com esses desafios, é fundamental adotar um controle de estoque aprimorado e implementar sistemas de rastreamento eficazes. 

Aqui estão algumas diretrizes abrangentes para otimizar seu controle de estoque: 

  • Monitoramento Contínuo: Estabeleça um sistema de monitoramento constante para acompanhar os níveis de estoque. Isso permitirá que você detecte qualquer sinal de escassez e aja prontamente para evitar a falta de produtos, o que pode resultar em perda de vendas. 
  • Estratégia de Reposição: Tenha uma estratégia de reposição eficiente em vigor. Isso inclui entender o tempo necessário para reabastecer produtos e o prazo de entrega de fornecedores, garantindo que você possa atender à demanda sem contratempos. 
  • Gestão de Picos de Demanda: Ter estoque adicional e pessoal de reserva disponíveis é uma estratégia inteligente para evitar a exaustão dos recursos. 
  • Sistemas de Rastreamento Eficientes: Implemente sistemas de rastreamento de estoque eficazes que forneçam informações em tempo real sobre a disponibilidade de produtos. Isso ajuda a evitar a venda de produtos fora de estoque e a manter a transparência em relação aos clientes. 

A localização estratégica dos Centros de Distribuição (CDs), perto dos grandes centros consumidores, também desempenha um papel crucial na otimização da logística, principalmente durante esse período do ano, com o chamado estoque avançado de maior velocidade de acesso. Isso não apenas diminui os prazos de entrega, mas também impulsiona a geração de emprego e economia nestas regiões. 

Portanto, adotar um planejamento estratégico sólido, aprimorar o controle de estoque e investir em diferenciais competitivos logísticos permitirá o sucesso nas vendas de fim de ano, incluindo Black Friday, Natal e outras datas festivas. 

E o que você acha disso? Interaja conosco nas mídias sociais, compartilhe essa publicação e acompanhe nossos outros conteúdos! Estamos em todas as redes como @logisticag2l. 

Do armazém ao destino: Integração de fluxos logísticos e tecnologia otimizando a cadeia

Por Mauricio Leonel | 

A logística desempenha um papel crucial na economia, permitindo que empresas entreguem produtos com agilidade e eficiência. Neste sentido, a integração de fluxos logísticos e tecnologia avançada se tornaram essenciais para otimizar a cadeia de suprimentos, do armazém ao destino.

A harmonia dos fluxos logísticos, desde a aquisição até a distribuição, reduz ineficiências, custos e agiliza operações. Essa sinergia se estende a parceiros externos, impulsionada por tecnologias como IoT e análise de dados avançada.

Neste artigo, destaco como essa integração está moldando o futuro da logística e de que forma impulsiona a eficiência operacional em toda a indústria.

Tecnologia: o pilar da Otimização Logística

O surgimento de soluções inovadoras, como sistemas avançados de gerenciamento de transporte, rastreamento de cargas em tempo real, inteligência artificial e análise preditiva de dados, tem se mostrado um divisor de águas para elevar a visibilidade e gestão sobre as operações logísticas.

A incorporação destas tecnologias capacita uma tomada de decisão intrinsecamente ágil e precisa, arquitetando a capacidade de detectar obstáculos e, igualmente importante, identificar oportunidades de otimização ao longo da extensa cadeia de suprimentos. A inteligência artificial, por exemplo, pode vasculhar volumes massivos de dados, extraindo insights que orientam desde a alocação de recursos até a roteirização ideal.

Ao embarcar nesse mundo tecnológico, as empresas não somente desvendam novas camadas de eficiência, mas também desfrutam de uma posição mais robusta no que tange à resiliência da cadeia de suprimentos.

A capacidade de prever tendências e se adaptar proativamente a mudanças no ambiente operacional proporciona uma grande vantagem competitiva, solidificando a tecnologia como uma importante aliada rumo à excelência logística.

Reduzindo as emissões de carbono

Entre os desafios urgentes da logística contemporânea, destaca-se a busca pela sustentabilidade em todos os seus processos. Empresas comprometidas estão ativamente engajadas na redução das emissões de carbono, promovendo a otimização de suas operações em prol da ecoeficiência.

A integração inteligente dos fluxos logísticos abre portas para um planejamento de rotas notavelmente mais eficiente, mitigando deslocamentos desnecessários e, por consequência, conferindo uma significativa redução na pegada de carbono resultante das operações.

Combinada à adoção de tecnologias ecologicamente responsáveis, como veículos elétricos e a integração de fontes de energia limpa e renovável, a logística surge como um protagonista na construção de um cenário mais ecologicamente equilibrado.

Este conjunto de medidas não somente atenua o impacto ambiental das atividades logísticas, mas também insere a indústria em um movimento crucial em direção a um futuro global verdadeiramente sustentável.

Conectando pessoas e negócios

No cenário atual, muito mais do que simplesmente mover mercadorias de um ponto a outro, a logística é a teia que conecta pessoas, empresas e mercados.

Por meio de uma rede robusta de conexões, o setor logístico tem a capacidade de movimentar bens e serviços com agilidade e segurança.

A integração de fluxos logísticos, como inbound e outbound, possibilita uma sincronização precisa de todas as etapas do processo, otimizando a movimentação de cargas e reduzindo prazos de entrega.

Entretanto, nenhuma transformação logística seria possível sem as pessoas por trás de todas as atividades. Empresas que reconhecem a importância de seus colaboradores e investem em um ambiente de trabalho positivo são mais propensas a alcançar o sucesso.

Valorizar pessoas reflete o compromisso de uma empresa com seus colaboradores, clientes e parceiros. Afinal, são as pessoas que, juntas, impulsionam a inovação e o crescimento sustentável.

Do armazém ao destino

Por fim, o investimento em pessoas, integrações e tecnologia passa de um diferencial para uma necessidade básica das empresas que pensam e constroem o futuro da logística. São estes pontos-chave que estão moldando o futuro do setor.

Do armazém ao destino final, cada etapa da cadeia de suprimentos se beneficia dessa transformação, criando uma rede interconectada que impulsiona o crescimento econômico, rápido, seguro e sustentável.

E se você se interessa por este tema, saiba que nos dias 29 e 30 de agosto estarei no evento Logística do Futuro,  em São Paulo, para compartilhar insights sobre como a G2L tem se destacado nesse cenário de inovação e integração.

Juntos, estamos trilhando um caminho que une tecnologia e expertise humana para otimizar a logística e conectar pessoas e negócios em todo o Brasil. Venha fazer parte deste momento especial.

E qual a sua opinião sobre esse assunto? Interaja conosco nas redes e acompanhe nossos outros conteúdos. Estamos nas principais mídias sociais, sempre como @logisticag2l!  

Se você gostou desta publicação, compartilhe para que mais pessoas possam ver! 

 

Armazéns e CD’s: principais vantagens para o seu negócio 

A gestão eficaz de Armazéns e Centros de Distribuição tem um importante papel no sucesso de qualquer operação logística. Ao concentrar estoques, reduzir custos de transporte, agilizar operações e melhorar o atendimento ao cliente, um CD pode oferecer diversas vantagens às empresas que buscam se destacar no mercado. 

Por isso, separamos os principais benefícios ao contar com Centro de Distribuição e como essa solução pode alavancar seu negócio. Confira abaixo! 

O que torna um CD eficiente? 

Um Centro de Distribuição eficiente é fundamental para se obter as vantagens que listaremos a seguir. Para isso, ele deve contar com algumas características essenciais: 

  • Localização estratégica:  É importante escolher um local que seja de fácil acesso para receber mercadorias de fornecedores e também para distribuir os produtos aos clientes. Optar por uma região que facilite o fluxo de veículos para diversas direções pode reduzir os tempos de entrega e os custos logísticos. 
  • Espaço adequado e layout otimizado: É fundamental que um CD tenha estas características, com o objetivo de máximo aproveitamento dos espaços (pé direito inclusive) e garanta alta produtividade com o menor números de movimentos possíveis. Isso também contribuirá para melhor organização e disposição das mercadorias, que impactará em um resultado positivo de inventário.
  • Tecnologia para o gerenciamento dos processos logísticos: Além das questões estruturais, é importante contar também com tecnologia para realizar a gestão dos processos logísticos. Sistemas integrados de gestão de estoque, rastreamento de produtos e gestão de entregas são essenciais para gerenciamento de forma precisa, fornecer informações em tempo real para os clientes e auxiliar na tomada de decisões estratégicas. 

Agora que você já sabe as principais características que tornam um Centro de Distribuição uma solução eficiente, vamos destacar os principais benefícios para o seu negócio.

Principais benefícios 

  • Redução de Custos de Transporte: Com os estoques centralizados, as empresas podem reduzir distâncias e custos de transporte entre o Centro de Distribuição e os destinos finais. Essa redução de custos impacta diretamente a rentabilidade do negócio, possibilitando investimentos em outras áreas-chave. 
  • Agilidade nas Operações: Um Centro de Distribuição bem estruturado melhora a agilidade nas operações logísticas. Assim, é possível atender aos pedidos dos clientes de forma mais rápida e eficiente. A consolidação de cargas e a roteirização eficiente reduzem o tempo de processamento, o que acelera a entrega dos produtos. 
  • Melhoria no Customer Service: A proximidade geográfica entre o Centro de Distribuição e os clientes finais resulta em um atendimento mais ágil e satisfatório. Com produtos entregues em prazos menores, a empresa conquista a confiança do cliente e fortalece seu relacionamento através desta experiência positiva. 
  • Flexibilidade de Estoque: A armazenagem em um Centro de Distribuição consolida diferentes produtos em um único local, facilitando a realização de promoções, vendas cruzadas ou ajustes de mix de produtos. Essa flexibilidade permite a adaptação às demandas sazonais ou flutuações no mercado, garantindo uma gestão mais eficiente do estoque. 
  • Expansão de Mercado: Ao operar a partir de um Centro de Distribuição, a empresa tem facilidade para expandir sua presença em novos mercados. A localização estratégica do Centro de Distribuição permite alcançar rapidamente áreas geográficas mais amplas, facilitando a distribuição dos produtos em diferentes regiões. Isso abre portas para a conquista de novos clientes e oportunidades de negócio. 

E o que você acha sobre isso? Na sua visão, que outros benefícios uma gestão eficiente Armazéns e CD’s pode trazer? Interaja conosco nas redes sociais e acompanhe nossos outros conteúdos, sempre como @logisticag2l!  

Se você gostou desta publicação, compartilhe em suas redes para que mais pessoas possam conferir nossas publicações 

Tecnologias que melhoram a segurança no transporte de cargas

A segurança é um dos principais desafios enfrentados pelas empresas de transporte de cargas. Afinal, elas precisam garantir que seus produtos cheguem ao destino final de maneira segura e eficiente, sem colocar em risco a vida dos motoristas e demais profissionais envolvidos, bem como a dos usuários das vias públicas. 

Além disso, a segurança é fundamental para evitar prejuízos financeiros decorrentes de danos às mercadorias ou atrasos na entrega. 

Nesse sentido, as tecnologias têm se mostrado grandes aliadas do setor de transporte de cargas, principalmente na função de gerenciar riscos.

Além das câmeras de segurança que ajudam a monitorar e prevenir problemas como roubo e furto de cargas, elas também desempenham um papel importante na segurança dos motoristas.  

Por exemplo, essas câmeras podem identificar se o motorista está cansado, sonolento ou desatento, como quando está usando o celular, proporcionando uma maneira de intervir a tempo e evitar acidentes.  

Além disso, as tecnologias oferecem recursos como controle de jornada por meio de tecnologia de rastreamento, garantindo o cumprimento das regulamentações trabalhistas.  

Outra tecnologia essencial é a Telemetria, que permite identificar a performance durante a condução do veículo. Isso auxilia na redução de custos com combustível e manutenção preventiva, ao fornecer dados precisos sobre o consumo de combustível e o estado do veículo.  

Essas soluções tecnológicas têm se mostrado indispensáveis para melhorar a segurança, a eficiência e a economia do transporte de cargas. Elas permitem que as empresas monitorem, controlem e otimizem o transporte de mercadorias, reduzindo riscos e aumentando a eficiência do processo. 

Por isso, separamos alguns exemplos para você: 

Tecnologias que melhoram a segurança no transporte de cargas 

  1. Rastreamento em tempo real: É possível monitorar em tempo real a localização dos veículos e das cargas, garantindo a segurança durante todo o trajeto. Assim, é possível tomar decisões rápidas e evitar rotas que possam apresentar maior risco.
  2. Sistemas de freios inteligentes: Sistemas de freios inteligentes ajudam a prevenir acidentes nas estradas, aumentando a segurança do transporte. Eles utilizam sensores que detectam quando o veículo está próximo de colidir com outro veículo ou obstáculo e acionam automaticamente os freios, evitando acidentes graves. 
  3. Câmeras de segurança: Câmeras de segurança ajudam a monitorar e prevenir eventuais problemas, como roubo e furto de cargas. Elas fornecem imagens em tempo real que podem ser utilizadas para identificar criminosos e recuperar cargas roubadas. 
  4. Veículos autônomos: A tecnologia de veículos autônomos promete revolucionar o transporte de cargas, aumentando a segurança e eficiência do setor. Essa tecnologia tem o potencial de aumentar a segurança e a eficiência do setor, uma vez que elimina a possibilidade de erro humano. Além disso, os veículos autônomos podem ser programados para seguir rotas mais seguras e eficientes, economizando tempo e dinheiro para as empresas. 

Por que é importante 

Com soluções mais seguras e eficazes, é possível realizar transportes mais rápidos, seguros e eficientes, garantindo a satisfação dos clientes e a competitividade das empresas. Veja abaixo alguns exemplos da sua importância no dia a dia: 

  1. Segurança das cargas: As tecnologias melhoram a segurança das cargas, garantindo que elas cheguem ao destino de forma segura e sem danos. 
  2. Segurança de motoristas e outros profissionais envolvidos: Além disso, as tecnologias ajudam a garantir que motoristas e outros profissionais envolvidos voltem em segurança para suas casas, prevenindo acidentes e garantindo a integridade física desses profissionais. 
  3. Eficiência do setor: Por fim, as tecnologias melhoram a eficiência do setor, garantindo a realização de transportes mais rápidos, seguros e otimizados. Consequentemente, reduzem custos e se tornam mais competitivas no mercado.  

Em resumo, a implementação dessas tecnologias não apenas melhora a segurança no transporte de cargas, mas também aumenta a eficiência do setor.  

Por isso, é importante que as empresas invistam cada vez mais em tecnologias para garantir a segurança no transporte de cargas. 

Na G2L Logística, estamos comprometidos em fornecer soluções inovadoras e seguras para nossos clientes. Acompanhe nossos conteúdos nas redes sociais, sempre como @logisticag2l, e fique por dentro das novidades do setor.  

Compartilhe esse post com seus colegas de trabalho e ajude a promover a segurança no transporte de cargas. 

Inteligência Artificial como aliada para melhoria dos processos Logísticos

Por Stenio Soares | 

A logística é uma das áreas mais importantes para as empresas, responsável por garantir que produtos e serviços sejam entregues aos clientes no tempo certo e com qualidade. Com o avanço da tecnologia, a inteligência artificial (IA) tem se tornado uma aliada poderosa na otimização dos processos logísticos. 

A IA é uma tecnologia que utiliza algoritmos e modelos matemáticos para realizar tarefas que normalmente exigiriam a intervenção humana, como análise de dados, identificação de padrões e tomada de decisões. Na logística, a IA pode ser aplicada em várias áreas, como gestão de estoque, roteirização, previsão de demanda e monitoramento de veículos. 

Um dos principais benefícios da IA para a logística é a redução de custos e a melhoria da eficiência operacional. Com a análise de dados em tempo real, é possível identificar gargalos e problemas na cadeia de suprimentos, permitindo que a empresa tome decisões mais precisas e rápidas para corrigi-los. Isso pode resultar em uma redução significativa de custos e tempo de entrega, além de melhorar a experiência do cliente. 

Outra área em que a IA pode ser aplicada é na roteirização de entregas. Com algoritmos de otimização de rotas, é possível encontrar a melhor combinação de veículos e destinos para reduzir o tempo de entrega e os custos de transporte. Além disso, a IA pode ajudar a prever a demanda futura de produtos, permitindo que a empresa ajuste seus estoques de forma mais eficiente e evite a falta de produtos ou o excesso de estoque. 

A IA também pode ser aplicada no monitoramento de veículos e na identificação de possíveis problemas, como avarias mecânicas ou acidentes. Com sensores e dispositivos de Inteligência Artificial é possível coletar dados em tempo real sobre o desempenho dos veículos, garantindo a segurança dos motoristas e dos produtos transportados. 

Por fim, essa tecnologia pode ajudar as empresas a se adaptarem mais rapidamente às mudanças no mercado e às demandas dos clientes. Com a análise de dados e a identificação de padrões de consumo, é possível antecipar tendências e tomar decisões mais estratégicas em relação à oferta de produtos e serviços. 

As empresas que investem em IA na logística podem ganhar uma vantagem competitiva significativa e melhorar a experiência do cliente.

E qual a sua opinião sobre esse assunto? Interaja conosco nas redes e acompanhe nossos outros conteúdos. Estamos nas principais mídias sociais, sempre como @logisticag2l!  

Se você gostou desta publicação, compartilhe para que mais pessoas possam ver! 

 

Logística reversa: como é feita e suas vantagens

Por Redação | 

A logística reversa é um processo de gerenciamento de resíduos e descartes de produtos que precisam voltar à cadeia produtiva, seja por motivos de reciclagem, reutilização, reparo ou descarte adequado. 

Apesar do conceito não ser uma novidade, sua importância e execução cresceram significativamente nas últimas décadas devido a uma maior preocupação com o meio ambiente e por ser uma importante estratégia para as empresas. 

O processo de logística reversa pode ser feito em diversos setores, desde o industrial até o de consumo. Para isso, é necessária uma estrutura operacional eficiente e responsável, além do engajamento dos consumidores com a sustentabilidade. Veja abaixo como ela é feita e quais são as suas vantagens.

Como é feita a logística reversa? 

Existem diversos tipos de logística reversa, que variam de acordo com o tipo de produto e com as legislações específicas de cada país. Em geral, seu processo envolve os seguintes passos: 

  • Coleta: A primeira etapa é a coleta dos resíduos. Isso pode ser feito por meio de postos de coleta específicos, coletas realizadas por empresas responsáveis ou por programas de troca de produtos. 
  • Triagem: A próxima etapa é a triagem dos resíduos coletados, que é realizada para separar e selecionar apenas os materiais que podem ser reciclados e reutilizados. 
  • Processamento: Depois da triagem, os resíduos são encaminhados para processamento, que inclui a reciclagem, a reutilização ou a destinação final adequada.  

Para que essas etapas funcionem adequadamente, é necessário que haja uma estrutura adequada de coleta, transporte, triagem e processamento dos materiais ou produtos devolvidos.  

Como já mencionado, é importante também que os consumidores sejam incentivados a adotar práticas sustentáveis, como a separação correta dos materiais recicláveis e o descarte adequado de produtos que não podem ser reciclados. 

A logística reversa traz muitos benefícios, dos quais podemos destacar: 

  • Meio Ambiente: ela é indispensável na preservação do meio ambiente, pois ajuda a reduzir a quantidade de resíduos descartados inadequadamente e a preservar fontes de matérias-primas. 
  • Sustentabilidade das empresas: Além disso, a logística reversa é fundamental para a sustentabilidade das empresas, pois permite a reutilização de matérias-primas e a economia de recursos. 
  • Saúde pública: Por fim, ela é importante para proteger a saúde pública, pois evita a contaminação do solo e da água, além de reduzir os riscos de doenças relacionadas a descartes inadequados de resíduos. 
  • Redução de custos: A logística reversa pode ajudar na redução nos custos por meio da reciclagem e reutilização de materiais, que podem ser transformados em insumos para a produção de novos produtos, evitando assim a necessidade de aquisição de matéria-prima virgem. 

Além disso, podemos citar também o aumento da eficiência, novas oportunidades de negócios e promover ideias inovadoras, como a criação de novos produtos a partir de materiais reciclados. 

Desafios

Em comparação com outros países, o Brasil ainda está em processo de desenvolvimento da logística reversa.  

Em 2010, foi aprovada a Política Nacional de Resíduos Sólidos, que estabeleceu diretrizes para a gestão de resíduos sólidos, incluindo a logística reversa. Desde então, diversas empresas e setores têm implementado programas de logística reversa, especialmente no setor de embalagens. 

No entanto, a logística reversa também apresenta desafios significativos. Um dos principais é garantir a colaboração de todos os envolvidos na cadeia produtiva, desde os fornecedores até os consumidores. Além disso, garantir a qualidade dos materiais reciclados ou reutilizados, para que possam ser utilizados com segurança. 

Embora apresente desafios significativos, os benefícios da logística reversa são claros. Por isso, cada vez mais as empresas, governos e consumidores estão preocupados em adotar práticas sustentáveis e promover a logística reversa no dia a dia. 

E qual a sua opinião sobre esse assunto? Interaja conosco nas redes sociais e acompanhe nossos outros conteúdos, sempre como @logisticag2l! 

Se você gostou desta publicação, compartilhe em suas redes para que mais pessoas possam conferir nossas publicações!

Como a tecnologia pode ajudar na economia de combustível?

Por redação |

O transporte de cargas é fundamental para o sucesso da economia brasileira e para o desempenho das empresas logísticas. Ele permite a circulação de bens e serviços, o que contribui para o abastecimento das regiões, o crescimento econômico e a geração de empregos. 

No entanto, sem um transporte de cargas eficiente, as empresas não poderiam entregar seus produtos aos clientes e não somente o comércio, mas toda a sociedade seria seriamente prejudicada. Desta forma, é uma parte crítica da infraestrutura econômica do país. 

E um dos grandes desafios enfrentados pelo setor são os altos preços do combustível. Isso afeta a competitividade das empresas e pode levar a aumentos significativos nos preços dos produtos transportados. 

Segundo a Associação Nacional do transporte de Carga e Logística, o combustível é um grande custo no transporte de cargas, com o diesel sendo o insumo mais usado. Em média, o diesel representa 35% do valor do frete, chegando a 50% para caminhoneiros autônomos. 

A tecnologia desempenha um papel importante nesse processo, oferecendo soluções para melhorar a eficiência energética dos veículos e otimizar as rotas de entrega. Por isso, listamos 8 exemplos de como ela está ajudando a economizar combustível no transporte de cargas. Confira abaixo! 

Otimização de custos com tecnologia 

Ao investir em tecnologias que ajudam a economizar combustível, as empresas de transporte de cargas podem melhorar sua rentabilidade e oferecer preços ainda mais competitivos para seus clientes.  

Alguns exemplos incluem sistemas de gestão de frotas que monitoram o uso de combustível em tempo real, motores mais eficientes e soluções de logística que buscam rotas mais curtas e diretas. 

A tecnologia também pode ajudar a economizar combustível em transporte de cargas de várias maneiras, como por exemplo: 

  1. Rastreamento e monitoramento em tempo real da frota: permite a identificação de rotas mais eficientes e otimização da logística para evitar desvios e desperdícios de combustível. 
  2. Controle de velocidade e gerenciamento de aceleração: ajuste de velocidade e aceleração para economizar combustível e aumentar a segurança no trânsito. 
  3. Manutenção preventiva: utilização de tecnologias como sensores e alertas para identificar problemas no veículo antes que eles causem danos graves e consumam mais combustível. 
  4. Combustível alternativo: investir em veículos movidos a energias renováveis, como a eletricidade ou gás natural, pode ajudar a reduzir os custos com combustível e aumentar a eficiência energética. Estes sistemas otimizam rotas e evitam viagens desnecessárias, resultando em menor consumo de combustível. 
  5. Cálculo de rotas e planejamento de viagens: uso de softwares de gestão de frotas que consideram fatores como tempo de viagem, tráfego e condições climáticas para planejar rotas mais eficientes. 
  6. Uso de Inteligência artificial e Machine Learning: para prever e otimizar demandas futuras de transporte de cargas, permitindo que as empresas planejem suas operações de maneira mais eficiente e economizem combustível. 
  7. Sistemas de gerenciamento de carga: permitem a otimização do espaço de carga e garante que ela seja distribuída de maneira equilibrada para minimizar o consumo de combustível. 
  8. Integrações sistêmicas alinhadas aos objetivos da empresa: otimiza o tempo e os processos para alcançar os resultados esperados pela companhia. 

 

Em resumo, vemos que a tecnologia é uma grande aliada na economia de combustível no transporte de cargas. Com as soluções descritas acima, é possível otimizar o processo logístico e reduzir custos, garantindo a eficiência e competitividade da empresa no mercado. 

Vale lembrar que estes são apenas alguns exemplos. A tendência é que a utilização de tecnologias ainda mais avançadas e sofisticadas continue a aumentar no futuro, trazendo ainda mais benefícios econômicos e ambientais para o setor.  

A implementação destas tecnologias pode ajudar a reduzir o consumo de combustível, otimizar o tempo de entrega e, consequentemente, aumentar a eficiência e rentabilidade da frota de transporte de cargas. 

E qual a sua opinião sobre esse assunto? Interaja conosco nas redes sociais e acompanhe nossos outros conteúdos. Estamos nas principais mídias, sempre como @logisticag2l!  

Se você gostou desta publicação, compartilhe para que mais pessoas possam conferir nossas publicações e seguir com a gente #NaRotaDoFuturo! 

Gestão de Riscos: solução estratégica para sua empresa

Por redação |

Prevenir possíveis ameaças é uma parte fundamental da operação de qualquer empresa, especialmente no setor logístico e de transporte de cargas. A Gestão de Riscos (GR) permite identificar potenciais problemas que possam prejudicar a sua operação e afetar a sua empresa. 

A solução inclui a identificação de riscos, análise de impactos, desenvolvimento de planos de contingência e monitoramento contínuo para garantir a eficácia das ações implementadas. 

Identificar as possíveis fontes de ameaças pode garantir eficiência, segurança e redução de custos operacionais. Mas, para isso, um bom serviço de GR precisa superar alguns desafios ainda presentes no cenário brasileiro de logística e transporte de cargas, como podemos observar abaixo.

Principais desafios 

Um dos desafios mais comuns enfrentados pelas empresas neste setor é garantir a segurança da carga durante o transporte. Problemas como roubo, perdas ou danos à mercadoria são apenas alguns dos riscos que precisam ser considerados. 

Segundo dados mais recentes da Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC&Logística), o Brasil registrou R$1,27 bilhão de prejuízo financeiro causado por roubos de carga no país. O levantamento mostra, ainda, que, dentre os alvos principais, estão: alimentos, combustíveis e produtos farmacêuticos. 

Além dos problemas com roubos, perdas e danos, fatores externos também precisam ser previstos, como condições climáticas adversas, atrasos de entrega e problemas com fornecedores. 

E quando o objetivo é identificar e mitigar essas ameaças, alguns dos principais empecilhos para um Gerenciamento de Riscos de qualidade são: 

  1. Tecnologia Obsoleta: Uma frota antiga ou sem tecnologia avançada de rastreabilidade pode dificultar o monitoramento e a gestão de riscos na logística. 
  2. Falta de Dados: A falta de dados precisos e atualizados sobre as operações logísticas pode impedir a identificação precisa dos riscos. 
  3. Comunicação Deficiente: A falta de comunicação eficaz entre as partes envolvidas pode dificultar a coordenação e a implementação de planos de contingência. 
  4. Falta de Recursos: A falta de recursos, incluindo tempo, mão de obra e orçamento, pode impedir a implementação de planos de gestão de risco mais complexos, tecnológicos e eficazes. 
  5. Conhecimento Limitado: Uma compreensão limitada sobre as questões regulatórias e de segurança pode dificultar a identificação de riscos, a avaliação das dimensões dessas ameaças e a implementação de medidas de mitigação. 

Agora que você já sabe quais são os principais desafios enfrentados, vamos destacar de que forma um GR eficiente pode agregar maior valor ao seu negócio. 

 

Gestão de Riscos como solução estratégica 

Uma das melhores maneiras de proteger sua empresa contra possíveis ameaças é investir em tecnologia avançada. Sistemas de rastreamento de cargas e equipamentos de segurança podem ser utilizados para garantir a segurança da carga durante o transporte.  

Além disso, para uma operação eficiente e segura na logística, é importante investir em automação de processos e treinamento de equipe e motoristas. A automação pode minimizar erros humanos, enquanto o treinamento em práticas seguras e gerenciamento de riscos garante que todos estejam preparados para lidar com os desafios.  

Capacitar tanto a equipe quanto os motoristas que possuem frota própria é fundamental para garantir um transporte seguro e de qualidade. Investir em instrução sobre os perigos das estradas, o uso adequado das tecnologias e as melhores práticas é crucial para a Gestão de Riscos, pois não se trata apenas de preservar o patrimônio, mas também de valorizar as vidas envolvidas.

Em resumo, investir em tecnologia, treinar sua equipe e manter um registro detalhado dos riscos são medidas importantes para garantir o sucesso da sua operação. Assim, é possível garantir maior eficiência nas seguintes atividades de GR: 

  1. Melhor Identificação de Riscos: Identificação de possíveis riscos e fontes de ameaças, incluindo questões de segurança, questões regulatórias, instabilidade política e eventos climáticos. 
  2. Análise de Riscos: Análise dos impactos potenciais desses riscos na cadeia de suprimentos e na operação da empresa. 
  3. Plano de Contingência: Desenvolvimento de um plano de contingência para lidar com riscos identificados, incluindo ações de mitigação e contingências de backup. 
  4. Monitoramento e Avaliação Contínuos: Monitoramento contínuo das ameaças e avaliação das respostas implementadas para garantir a eficácia das ações de gestão de risco. 
  5. Conformidade Regulatória: A gestão de riscos deve seguir rigorosos padrões regulatórios para garantir a conformidade com as leis e regulamentos aplicáveis. 

A Gestão de Riscos é uma solução estratégica para auxiliar na redução dos custos de transporte, garantir que as cargas chegarão em segurança no destino final e, assim, contribuir com maior credibilidade nas operações. 

E o que você acha disso? Siga a gente nas principais mídias sociais – sempre como @LogisticaG2L – e podemos conversar sobre Gestão de Riscos. 

Se você gostou desta publicação, compartilhe para que mais pessoas possam conferir nossas publicações!